Légua & meia:
Revista de Literatura e Diversidade Cultural
 

Página inicial

Index

Expediente

e Conselho

Apresentação do 1º número

Critérios para Publicação

Números Publicados

Índice Geral

Alfabético

Nossas Publicações

SITE EM ATUALIZAÇÃO


 

 

 

Aqui começa uma jornada de Légua & meia: Revista de Literatura e Diversidade Cultural.

 

Com esta publicação, o Programa de Pós-Graduação em Literatura e Diversidade Cultural (PPGLDC), atual Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários (Progel), da Universidade Estadual de Feira de Santana/UEFS, pretende estimular o intercâmbio de ideias e a reflexão contemporânea em torno de questões relevantes envolvendo literatura e outros fenômenos artísticos e culturais.

 

No horizonte de Légua & meia, reencenar o passado, debater o presente e ensaiar o futuro, que o mais já foi dito.

 

 

 

 

 

LÉGUA & meia

Critérios para Publicação

 

 

Artigos e resenhas para publicação na revista Légua & meia poderão ser encaminhados aos editores, observando-se o seguinte:

 

1. Envio de textos em formato Word, fonte Times New Roman 12, corrigido e revisado, na forma a ser publicada, para que seja submetido ao Conselho Editorial. Textos apresentando problemas de revisão poderão ser liminarmente rejeitados.

 

2. E-mail para envio e artigos:

 

 

3. Dados e créditos do Autor. Exemplo: Lucas Seven é Professor Associado da UEPB. Graduado em Letras pela Unicamp, Mestre pela UEFS, Doutor pela USP, Pós-Doutorado na PUC-RS. Publicou, dentre outros livros, Novos teoremas (1999) e Contradições do cânone (2010). É crítico de teatro e editor da revista Interseções”.

 

4. Citações extensas, ou com mais de um parágrafo, podem vir separadas do corpo do texto por linhas em branco antes e depois; citações com menos de cinco linhas e formando um só parágrafo são dispostas no próprio corpo do texto e marcadas através de aspas.

 

5. Evite o uso de itálico para indicar citação, reservando este recurso para destacar palavras e expressões ou para marcar títulos de livros e outras publicações.

 

6. As notas devem ser limitadas ao estritamente necessário, procurando-se inserir a informação no próprio curso do texto. Para evitar sobrecarregar o pé-de-página com informações, as referências bibliográficas devem ser feitas pelo chamado sistema “Autor-data”, constando entre parênteses, no corpo do texto, o Sobrenome do Autor, em Versalete seguido do ano da publicação e do número das páginas citadas. Exemplo: (Candido, 1999, p. 127-8).

 

7. Após uma vírgula ou um ponto teclar sempre um espaço em branco para separar os caracteres.

8. As referências, bibliográficas ou virtuais, devem constar no final do trabalho, observando-se a seguinte sistemática, tomada como exemplo:

 

AGOSTINHO, Santo. (397) Confissões. Trad. J. Oliveira Santos. São Paulo, Abril Cultural, 1980.

ANDRADE, Mário. (1928) Macunaíma. Feira de Santana, UEFS, 2010.

ANDRADE, Mário. O empalhador de passarinho. 3 ed., São Paulo, Martins, 1972.

FISHMAN, Charles. Sociologia do pensar. Rio de Janeiro, Eldorado, 2006a. 

FISHMAN, Charles. Identidades paralelas: a crise do pensamento crítico. Rio de Janeiro, Eldorado, 2006b. 

 

(Observe-se que a data da publicação original de uma obra pode vir entre parênteses, após o nome do autor, colocando-se o ano da edição consultada após o local e a editora, como nos livros de Agostinho e de Andrade. Isso permite contextualizar a obra na época da sua produção. Quando houver mais de um livro do mesmo autor publicado no ano, a distinção pode ser feita com letras após o ano, como nos livros de Fishman.)

 

9. Embora a ABNT adote um alinhamento uniforme para as entradas bibliográficas, a revista Légua & meia prefere destacar, no seu projeto gráfico, uma nova entrada de Autor com o alinhamento diferenciado de parágrafo, para facilitar o processamento da informação, conforme o exemplo do item anterior.

 

10. Como no Brasil os autores são identificados principalmente pelo nome próprio, recomenda-se evitar, na bibliografia, a abreviação do mesmo pela inicial seguida de ponto. (Exemplo: Ao invés de usar Santos, M., prefira Santos, Milton.)

 

11. Ao listar várias obras do mesmo autor, prefira repetir o nome do mesmo, ao invés de substituí-lo por travessão.